A Lei 62/2018 de 22 de Agosto (que entrou em vigor no dia 21 de Outubro de 2018) veio introduzir uma série de alterações ao diploma que regula a exploração dos estabelecimentos de alojamento local – Decreto-Lei 39/2008, de 7 de Março -, com o objectivo  de  sustar o  aumento  exponencial  daqueles  estabelecimentos  e  obstar  a alguns dos efeitos mais perniciosos que lhes têm sido apontados.

De uma forma geral, a Lei 62/2018 veio criar obrigações para quem já beneficia deste negócio, ao mesmo tempo que concede aos condomínios e às autarquias poderes para limitarem a proliferação de novos estabelecimentos.

As principais alterações introduzidas pela Lei 62/2018 são as seguintes:

AUTARQUIAS

Foi atribuído às câmaras municipais o poder de aprovar, por regulamento e com deliberação fundamentada, a existência de áreas de contenção por freguesia, podendo,  assim,  virem  a  ser  impostos  limites  relativos  ao  número  de estabelecimentos de alojamento local.

Nas referidas áreas de contenção, o mesmo proprietário apenas poderá explorar um máximo de sete estabelecimentos de alojamento local, constituindo este um limite quantitativo que anteriormente não existia.

Até à entrada em vigor do regulamento acima referido, as assembleias municipais, podem, ainda, por deliberação  fundamentada, tomada  sob proposta das  câmaras municipais, suspender a autorização de novos registos, por um máximo de um ano, nas áreas de contenção especificamente delimitadas.

A Câmara Municipal de Lisboa já anunciou que iria propor a suspensão de novos registos nos bairros seguintes: Castelo, Mouraria, Alfama, Bairro Alto e Madragoa. Aguarda-se a devida aprovação pela assembleia municipal de Lisboa para que esta medida entre em vigor.

O novo registo de estabelecimentos de alojamento local será efectuado mediante comunicação prévia com prazo dirigida ao presidente da câmara municipal, o qual poderá deduzir oposição fundamentada ao registo;

O presidente da câmara municipal poderá, ainda, determinar o cancelamento do registo  do  estabelecimento,  nos  casos  previstos  no  artigo  9.º  do  Decreto-Lei 39/2008.

CONDOMÍNIOS

A assembleia de condóminos pode, por decisão de mais de metade da permilagem do edifício,   em   deliberação   fundamentada,   decorrente   da   prática   reiterada   e comprovada de actos que perturbem a normal utilização do prédio, bem como de actos que causem incómodo e afectem o descanso dos condóminos,  opor-se ao exercício da actividade de alojamento local e propor ao presidente da câmara municipal  territorialmente  competente  o  cancelamento  do  registo  do  alojamento local.

No caso dos hostels, a comunicação prévia com prazo (relativa ao novo registo) deverá, obrigatoriamente, ser acompanhada de acta da assembleia de condóminos que autorize a sua instalação.

O condomínio pode ainda fixar aos condóminos titulares  de estabelecimentos de alojamento local, o pagamento de uma contribuição adicional, com um limite de 30% do valor anual da quota respectiva, correspondente às despesas decorrentes da utilização acrescida das partes comuns.

RESPONSABILIDADE POR DANOS PROVOCADOS NO EDIFÍCIO

Responsabilidade solidária: O titular do estabelecimento de alojamento local é solidariamente responsável com os hóspedes relativamente aos danos provocados por estes no prédio em que aquele se insere.

Seguro multirrisco: O titular do estabelecimento de alojamento local é obrigado a celebrar e a manter válido um seguro multirrisco de responsabilidade civil que, designadamente, cubra riscos de incêndio e danos patrimoniais e não patrimoniais causados a hóspedes e a terceiros, decorrentes daquela actividade.

LIVRO DE INFORMAÇÕES

Os estabelecimentos de alojamento local são obrigados a ter um livro de informações sobre o funcionamento do estabelecimento e respectivas regras de utilização internas, devendo esse livro ser disponibilizado em quatro línguas, duas das quais devem ser, obrigatoriamente, o português e o inglês.

Passa, ainda, a ser obrigatória a afixação de uma placa identificativa do estabelecimento de alojamento local.

AUMENTO DO VALOR DAS COIMAS

Foram aumentados os valores das coimas de 3.740,98€ para 4.000,00€ no caso de pessoas  singulares,  e  de  35.000€  para  40.000€  no  caso  de  pessoas  colectivas, quando,  nomeadamente, se verifique uma situação  em que o  estabelecimento  de alojamento local não esteja registado ou em que o registo esteja desactualizado, ou caso    sejam    incumpridas    as    normas    acerca    da    capacidade    máxima    dos estabelecimentos.

APLICAÇÃO

Algumas  das  regras  acima  descritas  não  terão  aplicação  imediata,  tendo  sido concedido  um  prazo  de  dois  anos  para  que  os  titulares  do  estabelecimento  de alojamento local já existentes, designadamente, celebrem seguro multirrisco, afixem as  placas  identificativas  e  ou  fiquem  obrigados  ao  pagamento  da  contribuição adicional da quota anual de condomínio até 30%.

O regime anterior de Alojamento Local, entrou em vigor no dia 29 de Agosto 2014, com o Decreto-lei nº 128/2014

 

Rui Rompante rr@paresadvogados.com   /  Maria Marreiros mm@paresadvogados.com

Pares Advogados

{ 0 comments }

PUBLICADO NOVO REGIME JURÍDICO PARA O ALOJAMENTO LOCAL

by Lisbon Apartments on September 11, 2014



NOTA: a Lei 62/2018 de 22 de Agosto, que entrou em vigor no dia 21 de Outubro de 2018, veio alterar o diploma abaixo. Clique aqui para mais informação.


Foi publicado, em Diário da República do passado dia 29 de Agosto, o Decreto-Lei nº 128/2014, com entrada em vigor a 27 de Novembro de 2014, e que vem prever um novo regime jurídico para o Alojamento Local. Esta figura foi criada pelo regime jurídico relativo aos Empreendimentos Turísticos (Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de março), por forma a permitir a prestação de serviços de alojamento temporário em estabelecimentos que não reunissem os requisitos legalmente exigidos para que fossem considerados Empreendimentos Turísticos, ao mesmo tempo que se pretendia combater a oferta de alojamento paralelo, tendo a sua regulamentação específica sido publicada através da Portaria nº 517/2008, de 25 de junho.
Com a recente publicação do novo regime, a figura do Alojamento Local é verdadeiramente autonomizada da dos empreendimentos turísticos, reconhece-se a sua relevância enquanto produto turístico. Desta feita passa a haver um regime único, deixando as Câmaras Municipais de poder fixar requisitos de instalação e funcionamento para além dos agora previstos, como até agora acontecia.
Assim, e apesar de se manter os 3 tipos de Alojamento Local, ou seja, o apartamento (unidade de alojamento é constituída por uma fração autónoma de edifício ou parte de prédio de utilização independente), a moradia (unidade de alojamento constituída por edifício autónomo de caráter unifamiliar) e os estabelecimentos de hospedagem (unidades de alojamento constituídas por quartos), procede-se a diversas alterações quanto aos seus regimes, tendo como novidade a previsão da figura dos «hostels» enquanto tipo específico de estabelecimento de hospedagem, sendo a unidade de alojamento, única ou maioritária, o dormitório, que deve ser constituído por um número mínimo de quatro camas, podendo ser inferior se as mesmas forem em beliche. De entre as previsões do novo regime, destacam-se então as seguintes:
  1. São considerados estabelecimentos de Alojamento Local aqueles que prestam serviços de alojamento temporário a turistas, mediante remuneração, sendo expressamente proibida a exploração como Alojamento Local de estabelecimentos que reúnam os requisitos legalmente previstos para que possam ser considerados Empreendimentos Turísticos;​
  2. Presume-se que existe exploração e intermediação de Alojamento Local quando um imóvel ou fração deste, seja publicitado, disponibilizado ou objeto de intermediação, por qualquer forma, entidade ou meio, nomeadamente em agências de viagens e turismo ou sites da Internet, como alojamento para turistas ou alojamento temporário, bem como quando o imóvel ou fração deste esteja mobilado e equipado e nele sejam oferecidos ao público em geral, além de dormida, serviços complementares ao alojamento, como limpeza ou receção, por períodos inferiores a 30 dias;
  3. O registo dos estabelecimentos de Alojamento Local é efetuado mediante mera comunicação prévia, junto da respetiva Câmara Municipal, através do Balcão Único Eletrónico, isenta de taxas, sendo obrigatório e condição necessária para a exploração;
  4. A capacidade máxima dos estabelecimentos de Alojamento Local passa a ser de nove quartos e 30 utentes, com exceção dos qualificados como «hostel», que não estão sujeitos a quaisquer limites máximos e cujos requisitos específicos se remete para Portaria a publicar posteriormente, bem como também não se aplicam aos estabelecimentos já registados aquando da entrada em vigor do novo regime;
  5. Cada proprietário, ou titular de exploração, só pode explorar, por edifício, o máximo de nove estabelecimentos de Alojamento Local na modalidade de apartamento, entrando também para esta contabilização aqueles que estejam registados em nome do cônjuge, descendentes e ascendentes do proprietário ou do titular de exploração, bem como os registados em nome de pessoas coletivas distintas em que haja sócios comuns;
  6. Quanto aos requisitos gerais estes não diferem substancialmente dos previstos na anterior legislação (Portaria nº 517/2008, de 25 de junho), deixando no entanto de se prever a obrigação de existência de uma instalação sanitária por cada três quartos;
  7. Os estabelecimentos de Alojamento Local devem cumprir as regras de segurança contra riscos de incêndio previstas na legislação específica sobre esta matéria, exceto no que diz respeito aos estabelecimentos cuja capacidade seja inferior a 10 utentes, devendo estes dispor de extintor e manta de incêndio, equipamento de primeiros socorros e indicação do número nacional de emergência (112);
  8. Nos estabelecimentos de hospedagem, desde que a autorização de utilização o permita, podem instalar-se estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços, nomeadamente de restauração e de bebidas;
  9. É obrigatória placa identificativa específica de Alojamento Local apenas para os estabelecimentos de hospedagem, devendo esta ser afixada no exterior junto à entrada principal;
  10. A publicidade, a documentação comercial e o merchandising dos estabelecimentos de Alojamento Local devem indicar o respetivo nome ou logótipo e número de registo, que, para os estabelecimentos existentes, deverá ser disponibilizado no Balcão Único Eletrónico 30 dias após a entrada em vigor do novo regime;
  11. Os titulares dos estabelecimentos registados à data da entrada em vigor do novo regime, que ainda não o tenham feito, devem, no prazo de 30 dias após entrada em vigor, apresentar, junto da respetiva Câmara Municipal, cópia simples da declaração de início ou alteração de atividade do titular da exploração do estabelecimento para o exercício da atividade de prestação de serviços de alojamento correspondente às CAE’s 55201 ou 55204, apresentada junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT);
  12. Os estabelecimentos de Alojamento Local existentes e que já utilizem a denominação «hostel», dispõem de um prazo de cinco anos, a contar da entrada em vigor do novo regime, para se conformarem com os requisitos previstos;
  13. O quadro sancionatório previsto para o incumprimento do estipulado neste diploma foi consideravelmente agravado, destacando-se a coima que varia entre os € 25.000 e os € 35.000, para as pessoas coletivas que procedam à oferta, disponibilização, publicidade ou intermediação de Alojamento Local não registado ou com registos desatualizados;
  14. A fiscalização, instrução dos processos e aplicação de coimas e sanções compete à ASAE, cabendo à AT fiscalizar o cumprimento das obrigações fiscais referentes ao exercício desta atividade.
NOTA IMPORTANTE: Este artigo é meramente informativo e não constitui nem dispensa a consulta da lei e o apoio jurídico especializado. O texto foi fornecido pela AHRESP
Para aceder ao diploma na íntegra, clique aqui: https://dre.pt/pdf1sdip/2014/08/16600/0457004577.pdf

{ 0 comments }

Belém

June 3, 2013

Tweet Belem is an historic area of Lisbon just 6km to the west of the city centre along the riverfront is this tranquil and antiquedistrict is full of attractions. Belem is significant in the history of Portugal as the point from which many of the great navigators set of on their explorations of the oceans. […]

Read the full article →

Expo – Parque das Naçoes

April 19, 2013

Tweet Parque das Nações is the area of Lisbon commonly referred to as ‘the Expo’. The area has a modern almost futuristic  design and is located in the east of Lisbon around 20-mins to half an hour from the historical city centre. Much of the area was rundown and derelict until it was renovated when Lisbon successfully hosted the […]

Read the full article →

Graça

April 15, 2013

Tweet Graça is one of Lisbon’s oldest neighbourhoods which can be found at the top of the highest hill in Lisbon, just to the north east of the castle São Jorge.  The neighbourhood of Graça is largely residential yet with plenty of attractions for visitors.  In the main square the Largo da Graça you will […]

Read the full article →

Chiado

April 15, 2013

Tweet Chiado  for most of Lisbon’s inhabitants is pretty much the city centre as it here where you will find the main in-town shopping area. Chiado was devastated by a fire in 1988 that destroyed many of the cities oldest shops. The famous Portuguese architect Siza Viera took charge of the reconstruction project.  Viera and his workers […]

Read the full article →

Alfama

April 10, 2013

Tweet   “Cheira bem, cheira a Lisboa” “Cheira a castanha assada se está frio” “Cheira a fruta madura quando é Verão” “Lisboa tem cheiro de flores e de mar” …   “It smells good, it smells of Lisbon” “It smells of roast chestnuts when it’s cold” “It smells of ripe fruit in Summer”  “Lisboa smells […]

Read the full article →

The Bairro Alto

April 5, 2013

Tweet   By Day      By Night       The Bairro Alto is truly a part of Lisbon’s soul. By day the Bairro (which means neighbourhood) is a picturesque working class quarter of the city with buildings dating back to the 16th century. By night the Bairro is one of Lisbon’s most lively  places  full […]

Read the full article →

The Baixa (downtown Lisbon)

April 4, 2013

Tweet The Heart of Lisbon is the  Baixa  (or the downtown) which stretches from the riverfront commercial square up to the main avenue (Avenida da Liberdade).  The area is often referred to as the Pombaline Baixa taking this name from its benefactor the 1st Marques of Pombal, Sebastião José de Carvalho e Melo.  He was a key figure in […]

Read the full article →

Restaurants in Lisbon open at Christmas and New Year 2010-2011

December 7, 2010

Tweet Once again this year, many of our clients have asked us what their options are for dining out in Lisbon on Christmas Eve and New Year’s Eve 2010-2011. Last year, we were able to compile quite a comprehensive list of restaurants open at Christmas & New Year, but this year we’ve concentrated on the […]

Related Posts with Thumbnails
Read the full article →
Copyright © LisbonApartments.com